ABMAIS URBANISMO é pioneira na neutralização de carbono no setor imobiliário

Em sintonia com a agenda mundial do meio ambiente, a ABMAIS URBANISMO é a primeira empresa do setor imobiliário a neutralizar suas emissões de carbono durante todo o processo de lançamento de um empreendimento (loteamento) no Brasil.

Ainda que para muitos a emissão de carbono na atmosfera seja um assunto distante, objeto de conferências internacionais e organizações ambientalistas, as questões relacionadas a mudanças climáticas estão cada vez mais entre as preocupações da sociedade e das grandes organizações. Para a ABMAIS URBANISMO não poderia ser diferente.

O Brasil é o quarto colocado no ranking mundial das nações que mais emitem o CO2 na atmosfera, segundo o Carbon Brief. Os impactos do aumento da temperatura global já fazem parte do cotidiano das pessoas: enchentes, estiagens, aumento do nível do mar, entre outros. Empresas e sociedade precisam fazer sua parte, mensurar, controlar, reduzir e neutralizar suas emissões de gases do efeito estufa.

Vocacionada para o futuro, a ABMAIS URBANISMO é a primeira empresa do setor imobiliário a neutralizar suas emissões de carbono durante o lançamento de um empreendimento no Brasil. Para isso, escolheu seu mais novo produto, o Altos de Prudente, loteamento de alto padrão na cidade de Presidente Prudente – SP.

Toda emissão de dióxido de carbono (CO2) gerada em cada uma das etapas do lançamento do Altos de Prudente, será neutralizada pelo plantio de árvores que recolherão o carbono da atmosfera pelos próximos 30 anos.

Entre as ações que emitem CO2 na atmosfera, a queima de combustíveis fósseis é uma das mais poluentes. Dos automóveis às máquinas pesadas utilizadas na obra, dos deslocamentos da equipe de trabalho até às ações comerciais no stand de vendas, coletiva de imprensa, reuniões com corretores, coffee breaks, tudo foi computado para ser neutralizado.

A ABMAIS URBANISMO também irá compensar as emissões de carbono geradas pelo consumo de energia, geração de resíduos e efluentes.
METODOLOGIA

De acordo com o Instituto Brasileiro de Florestas (IBF), cada hectare de floresta é capaz de absorver de 150 a 200 toneladas de carbono. Dessa forma, para avaliar a quantidade de árvores necessárias para a compensação, é preciso calcular todas as etapas que compõem o processo produtivo de determinado negócio.

Para o cálculo das emissões, a urbanizadora seguirá o GHG Protocol, uma ferramenta, reconhecida internacionalmente, para contabilização das Emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE), aplicável a qualquer organização de todos os tipos de atividades e setores. Este protocolo segue os mesmos princípios da ISO 14064, um padrão internacional relacionado a gestão de emissões.

Ao longo de todo processo que precedeu o lançamento do Altos de Prudente, cerca de 1500 pessoas participaram de reuniões de trabalho e eventos no stand de vendas do empreendimento. Foram computadas suas emissões de carbono no consumo de combustível em deslocamento, energia empregada na utilização de equipamentos eletrônicos, produção de resíduos e até as emissões geradas no tratamento de efluentes, de acordo com a quantidade de pessoas envolvidas e o tipo de tratamento empregado.

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS

Seguindo sua visão empresarial, mais do que morar, a ABMAIS URBANISMO oferece aos seus clientes um lugar para viver com qualidade e deixa ainda uma série de contrapartidas às cidades onde se instala. De toda a área do empreendimento, cerca de 45% serão preservadas para a formação de um grande cinturão verde.

Além disso, a ABMAIS contratou um Programa de Recuperação de Áreas Degradadas que executou o plantio de 6.036 mudas, em uma área de 35.300 metros quadrados de reflorestamento; manutenção e monitoramento efetivos a fim de um melhor sucesso na formação da floresta, buscando um estágio pioneiro de regeneração vegetal.
Apenas com este programa, estima-se que mais de 862 toneladas de carbono sejam retiradas da atmosfera pelos próximos 30 anos.

Em parceria com a Polícia Militar Ambiental, um programa de monitoramento ambiental acompanha a instalação do empreendimento, apresentando sempre pontos de atenção a fim de mitigar impactos futuros, que facilita a solicitação de Licença de Operação junto ao Órgão Ambiental, o qual libera o empreendimento para ser ocupado pelos clientes.

Desta forma, fazemos o acompanhamento mensal com apontamento de melhorias ambientais. Os trabalhos contemplam relatórios mensais, trimestrais e anuais de gestão ambiental da implantação do empreendimento, atendendo os procedimentos e cuidados ambientais relativos ao controle de emissões de ruídos e de emissões atmosféricas, gerenciamento de resíduos, efluentes, erosão e assoreamento.

A ABMAIS contratou ainda o Gerenciamento de Resíduos Sólidos que irá registrar as situações do empreendimento quanto à compatibilidade das obras em relação às condições ambientais, acondicionamento, transporte e destinação final dos resíduos, propondo medidas preventivas, mitigadoras e corretivas, com registros de ações identificadas em campo. Como consequência desses trabalhos, apresentamos uma maior responsabilidade ambiental e social junto às comunidades e ao meio ambiente.

Com essas atividades visamos sempre a política dos 5Rs: Reduzir, Reusar, Reciclar, Repensar e Recusar.
ENTENDA O CONTEXTO MUNDIAL

Em 1972, representantes de 113 países reuniram-se em Estocolmo para a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento e Meio Ambiente Humano. Foi um marco histórico por se tratar do primeiro grande encontro internacional com representantes de diversas nações para discutir problemas ambientais globais.
Anos depois, um acordo firmado em 2015 pelos 193 Estados-membros da Organização Das Nações Unidas (ONU), estabeleceu o compromisso de seguir as medidas recomendadas no documento “Transformando o Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável” para os próximos 15 anos, 2016-2030.

A Agenda 2030 é um plano de ação global que reúne 17 objetivos de desenvolvimento sustentável e 169 metas, criados para erradicar a pobreza e promover vida digna a todos, dentro das condições que o nosso planeta oferece e sem comprometer a qualidade de vida das próximas gerações.

Os objetivos e metas são integrados e abrangem as três dimensões do desenvolvimento sustentável – social, ambiental e econômica – e podem ser colocados em prática por governos, sociedade civil, setor privado e por cada cidadão comprometido com as gerações futuras.

Aplicado pela primeira vez durante a Conferência de Kyoto, o conceito “sequestro de carbono” visa a redução de emissão do GEEs, principalmente o CO2. Mais tarde, durante a 26ª Conferência das Partes (COP26) foi lançada a campanha global: “Race to Zero”, que apresenta como objetivo a neutralização da emissão de carbono até 2050! E já conta com a participação de 1.049 cidades, 5.235 negócios, 441 grandes investidores e 1.039 instituições de educação, que representam cerca de 25% das emissões globais de CO2 e mais de 50% do PIB mundial.

R. Eugênio de Medeiros, 303 -9°andar – Pinheiros, São Paulo – SP, 05425-000
Avenida Presidente Kennedy, n° 1386 – sala 58, Cidade Nova I, Indaiatuba / SP, 13334-170

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.